Quarta-feira, 3 de Junho de 2015

GEOPOLÍTICA AMERICANA NAS ENTRANHAS DA FIFA?

 

 new yorker futebol
Fonte da imagem: http://www.brasilpost.com.br/2014/06/26/

 

GEOPOLÍTICA AMERICANA NAS ENTRANHAS DA FIFA: os Estados Unidos da América (EUA) entenderam que o futebol movimenta trilhões de dólares em todo o mundo.

 

Por Belarmino Mariano Neto

 

“Rompendo seu histórico desprezo pelo futebol, os norte-americanos finalmente se apaixonaram pela Copa do Mundo. As partidas da seleção dos EUA batem recordes de audiência na TV, superando esportes tradicionais no país como o beisebol. Movimentos populares pressionam a Casa Branca para decretar feriado nos dias de jogos. Notícias sobre a Copa dominam as manchetes de jornais e revistas. E a classificação de hoje para as oitavas de final marca a virada definitiva: a audiência foi tamanha que chegou a derrubar o site da ESPN norte-americana. O "soccer" caiu, de uma vez por todas, no gosto do grande público nos EUA” (http://www.brasilpost.com.br/2014/06/26).

 

Será que esta imagem estampada no The New Yorker revela que os norte-americanos vieram para a Copa do Mundo no Brasil e se apaixonaram de vez pelo futebol? Mas, para além das copas passadas e por vir, o que de fato me animou para escrever esse artigo foi exatamente a intervenção do FBI e a prisão de dirigentes da FIFA; a realização das eleições da FIFA e em seguida e renuncia do Suíço Eleito Joseph Blatter. Ele terá culpa no cartório? Ou foi uma orientação do permanentemente neutro governo Suíço? 

                O mundo todo se pergunta: Qual o interesse dos Estados Unidos em intervir diretamente na FIFA, através do FBI e com o apoio direto das agencias de segurança da Suíça? Outras questões podem nortear essa analise geográfica de perspectiva geoestratégica. O mundo encurta sua expectativa temporal e fica demonstrado claramente que os megaeventos internacionais estão se tornando um grande negócio em curto e médio prazo. Então em 2018 teremos a Copa do Mundo na Rússia e em 2022 será a Copa do Mundo do Qatar. Então temos quase uma década pela frente, em que trilhões de dólares correram para territórios que não estão na escala de interesses norte-americanos. Diga-se de passagem, temos de um lado o mundo árabe e do outro, resquícios do sonho socialista que marcou profundamente a “Guerra Fria” e a velha ordem Geopolítica. Esse é o desenho de fato, esquadrinhado pelos dirigentes da FIFA e que estrategicamente desagradou os Estados Unidos, que começou a se interessar pelo mundo do futebol.

A bola escolhida para provocar uma crise nesse mundo futebolístico foi exatamente o que melhor caracteriza seus dirigentes maiores. A corrupção, os contratos bilionários, as compras de liberações, os negócios escusos cotidianamente praticado nesse mundo do futebol e ao qual ficamos conhecendo mais diretamente, pois o Brasil foi sede da ultima copa do mundo. O Brasil deu exemplo de que corrupção na organização da copa foi escandalizada em todos os pontos cardeais desse país. Para a realização da copa do mundo no Brasil, foram alteradas até leis na Constituição; foram abertas as porteiras dos negócios e as regras do jogo da corrupção facilitadas.

Os movimentos sociais foram às ruas e protestaram contra esse jogo sujo, dizem até que houve interferência de grupos organizados patrocinados para expor uma violência nas ruas. A gente ainda fica se perguntando, se de fato houve conspiração contra a Copa no Brasil? Se havia o dedo dos Americanos para provocar um fiasco de evento. Ficou claro que havia dois grupos nas ruas. Aquele historicamente reconhecido como de esquerda e que lutavam contra a corrupção, contra as obras faraônicas da copa, enquanto faltava saúde, educação e segurança para o povo; e havia também um grupo de direita que orquestrava uma campanha contra o governo petista que ao lado da CBF e da FIFA organizavam a dita copa. Não há dúvidas de que, em meio às manifestações, surgiu uma onda de violência orquestrada, não se sabe por quem, uma espécie de tumulto e violência para além do tolerável, meio que tentando, através do vandalismo, melar o grande evento mundial.

O site da BBC destaca que os norte-americanos se apaixonaram pelo futebol e pela Copa do Mundo no Brasil e este foi o segundo pais que mais comprou ingressos e veio ao Brasil. Mas as audiências da Copa foram altíssimas em todo o país. O site ainda falou sobre a dança dos milhões de dólares que foram movimentados para retransmissão de futebol nos Estados Unidos, nas duas ultimas copas do mundo e faz previsões para os anos de 2018 e 2022, nesse mercado bilionário, talvez os norte-americanos estejam acordando para as perdas que já tiveram até agora, enquanto o povo americano começa a se deleitar com uma paixão há muito tempo vivida pelos brasileiros.


“A ESPN pagou cerca de US$ 100 milhões (R$ 220 milhões) pela retransmissão em inglês das Copas de 2010 e 2014 nos Estados Unidos, enquanto que o canal em espanhol Univisión, voltado para a comunidade hispânica, desembolsou US$ 325 milhões (R$ 726 milhões) pela exclusividade das imagens Mundial em espanhol, revelou a revista Forbes. (...) Trata-se de um crescimento considerável frente aos US$ 22 milhões (R$ 49 milhões) que a ESPN pagou pelos direitos do Mundial da França em 1998, o primeiro transmitido em sua totalidade em território americano. E muito menos do que os US$ 425 milhões (R$ 950 milhões) que a Fox pagará pelo direito de transmitir os torneios de 2018 e 2022”(http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/06/).

 

Talvez ai esteja uma das reais motivações norte-americanas em atacar diretamente alguns dos corruptos dirigentes da FIFA, nas vésperas de seu congresso mundial e das eleições para os dirigentes da entidade. São milhões em jogo, são grandes negócios que estão em jogo, uma fatia do mercado mundial do futebol, que efetivamente não passava por dentro da economia norte-americana.

Nos Estados Unidos, o mundo do futebol é tão corrupto quanto em qualquer federação estadual, de países do futebol como o Brasil. E não se enganem, pois o FBI começou o trabalho de combate à corrupção no futebol, fazendo o dever de casa. Prendeu dirigentes da federação americana de Futebol, ofereceu a delação premiada e aos poucos criou as condições geoestratégicas necessárias, que foram camufladas por uma falsa legalidade típica dos interesses geopolíticos norte-americanos. Agora estamos diante de um paradoxo, pois parece existir uma ação legal dos Estados Unidos, razão pela qual, não houve reação do mundo as suas iniciativas em prender dirigentes, vasculhar equipamentos eletrônicos, documentos e efetivamente passaram a arbitrar os rumos do mundo do futebol, assim mesmo, da noite para o dia.

Os USA como uma grande potência em todos os setores da economia e do esporte mundial (basquete, beisebol, futebol americano, etc.) teimava em ignorar o mundo do futebol de 11 contra 11. Insistia em não demonstrar interesse pelo tema. Achava que esse esporte não caberia na vida nacional americana. Podemos dizer que houve um erro em não valorizar o esporte, que no mínimo, não perceberam que esse tipo de jogo eminentemente coletivo já era paixão nacional em dezenas de grandes nações. O futebol é um dos esportes coletivos que estão nos jogos olímpicos desde 1908, e mesmo assim, os governos americanos nunca incentivaram o esporte naquele país. Hoje eles sabem muito bem que o futebol movimenta trilhões de dólares todos os anos e os grandes eventos internacionais mexem com milhares de grandes negócios. Agora, se revestem de uma moral semelhante a que utilizam na esfera da ONU, para tentarem influir em uma organização, na qual eles não apitavam em nada, até então.

Os interesses dos Estados Unidos da América estão para além de questões da corrupção no futebol, ou na FIFA e em suas Confederações e Federações espalhadas por todo o mundo. O jogo de poder é geopolítico e com vistas ao futuro desse esporte e dos seus grandes negócios. Vejam as negociações bilionárias que eles denunciaram em empresas que fabricam materiais esportivos nessa área, ou os grandes negócios que ocorrem por dentro dos meios de comunicação para a transmissão de jogos em diferentes partes do mundo, em especial, na América Latina. Vejam que as confederações e federações diretamente atacadas foram justamente daqueles países sem força geopolítica efetiva, tanto na América do Sul e Central (não estamos aqui, querendo redimir os dirigentes corruptos existentes nesses países, a exemplo do Brasil, que já eram motivo de pedidos de CPI).

Veja o envolvimento de países como Espanha, Itália, Alemanha e Reino Unido com o mundo do futebol. Estes países sozinhos investem bilhões de euros todos os anos com o futebol. Nos grandes clubes europeus são gigantescas as empresas que mobilizam milhões de pessoas, como sócios torcedores. Sempre são destacados os melhores jogadores do mundo todos os anos, saindo de times europeus, com a compra internacional de passes, seja de jogados sul-americanos, africanos entre outros. Na atualidade, a China se destaca com o investimento pesado em times de futebol; o mundo árabe faz o mesmo, enquanto que o Japão e a Coreia do Sul já faz isso há décadas. Então, os Estados Unidos, tardiamente, tentam entrar nesse mundo, ao seu modo, com ações geoestratégicas, pois assim, suas empresas seguirão as tendências desse mercado bilionário.

Parece que alguns países não estão querendo se indispor com a geopolítica americana e aos quatro cantos do mundo, acompanhamos os governos ou os entes das federações de futebol e até mesmo as empresas envolvidas com este mundo da bola, declararem que estão dispostas em colaborar com as investigações, que concordam com as ações do FBI para esclarecer e se existirem irregularidades, que estas sejam expostas e os culpados paguem pelos seus atos de corrupção.
Ficam as perguntas no ar: Agora com a vacância do cargo, será que viveremos uma FIFA aos moldes da ONU, nessa relação das grandes organizações mundiais que rezam na cartilha geopolítica dos USA? Será que o imperialismo Norte-Americano chegou a sua ultima fronteira capitalista com sua exitosa intervenção na FIFA?

 

Referências:

http://www.brasilpost.com.br/2014/06/26/estados-unidos-futebol_n_5534583.html

http://esporte.uol.com.br/futebol/ultimas-noticias/2015/05/29/especialista-alerta-sobre-reais-interesses-dos-eua-em-operacao.htm?fb_ref=Default

http://www.bbc.co.uk/portuguese/noticias/2014/06/140610_wc2014_eua_futebol_lgb.shtml

 

 

 

 

Fonte da imagem: ecologiaurbanacwb.blogspot.com

Por: Belarmino Mariano Neto

 

Início, meio e fim. Estou aqui diante de três coisas. Tendo que começar a dizer sobre um tema que vem se tornando cada vez mais banal no meio de um verdadeiro bombardeio de informações sobre a importância de preservar a natureza e muito preocupado com o fim de tudo isso, pois enquanto as pessoas falam ou discutem o meio ambiente, muitos estão com o cigarro aceso ou acabaram de jogar o papel do bombom pela janela (MARIANO NETO, 2001).

A partir de agora, centralizarei meu texto nos elementos da informação ambiental como uma das marcas do atual estágio de globalidade pela qual passa e vive o humano em seu presente. A ideia é relacionar a linguagem como elemento envolvente dos sistemas de informações e da própria ciência que até certo ponto se torna refém do discurso e da representação.

Fonte da imagem: www.radioaustralia.net.au

A informação ambiental como banalidade do discurso é uma tentativa de conectar os limiares da pós-modernidade com a informação, seus veículos em rede e todo o emaranhado de contradições do presente.

Vivemos o paradoxo da pós-modernidade em que a linguagem, a informação ou o discurso ocupam o centro da ciência. A linguagem é a ponte na criação das relações. A teia com os outros mundos e o espaço do dizer e da produção cultural. A informação passou a ser o elemento de maior importância para o mundo contemporâneo. Um mundo visual que produz a consciência da sensibilidade, o conhecimento dos primórdios e do essencialismo e as imagens construídas pela vida de cada pessoa.

A linguagem constrói ciência, (des)constrói o censo de verdade ou de realidade alimentando ideias e utopias. A linguagem cria condições, quebra fronteiras e desafia a constante ideia de ponto final. A capacidade cultural e tecnológica de dizer, de falar, de escrever, de informar e de estabelecer conexões intervencionando a lógica do tempo e do espaço, abrindo portas para a tele distância na arte da ideia do humano como sendo um programa de palavras ditas, não ditas e por dizer.

Se a espécie humana ainda precisa de uma alavanca para modificar o mundo. Modificar, não. Para salvar o mundo, ela já reencontrou. Essa ferramenta, usada e demonstrada com competência pelos cinco mil jornalistas que fizeram a cobertura da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável, a Rio+10, em Johannesburgo, na África do Sul, tem um novo nome: informação ambiental (FIRMINO, Hiram. p. 06, 2002).

A grande questão é: até que ponto a totalidade da informação ambiental tem surtido algum efeito real nas atitudes humanas, em seus Estados, governos, sociedades e empresas? Sem sombra de dúvidas, a informação ambiental foi totalmente democratizada. Internet, televisão, vídeos, rádios, revistas, jornais, folhetos, etc.

Fonte da imagem: virusplanetario.wordpress.com

São produzidos diariamente com temas que estão relacionados com o meio ambiente e sua preservação. Já somos mais de 6,8 bilhões de seres humanos, e de um jeito ou do outro nos chega a informação ambiental.

Mas, até que ponto, nós nos importamos com estas questões a ponto de mudarmos de atitudes? É claro que a consciência não se faz num dia, mas no dia da consciência de cada uma destas são questões relevantes para o momento pelo qual passa a humanidade.

Estou percebendo que o problema não é de (cons)ciência – conhecimento. A questão maior é que existe uma poluição informacional em todos os sentidos. A massificação da informação ambiental é acompanhada de uma massificação ainda maior do consumismo.

Ao lado de uma informação do tipo defenda a natureza, temos dez informações sobre compre, compre, compre, consuma, consuma, consuma, compre, consuma, compre, consuma, compre. A sociedade de mercado monopolista e de consumismo a qualquer preço já descobriu as marcas ecológicas, que geralmente também são dez vezes mais caras. Já temos nos supermercados seções inteiras de produtos ecologicamente corretos: café ecológico, açúcar de demerara e mascavo, açúcar orgânico claro, arroz integral e ecológico, verduras orgânicas e sem agrotóxicos, etc. Estas marcas disputam espaço com os ligths, dietéticos, transgênicos, enlatados, estabilizados, e todas as "marcas envenenadas e turbinadas" do mercado tecnológico dos alimentos.

Firmino (2002) acha que, se continuarmos pensando globalmente, mas não fizermos nada localmente, enquanto indivíduos, cidadãos e nação, o fim não será surpresa. A situação do planeta é de alto risco, mas às práticas da superprodução capitalista despreocupadas com os efeitos sobre o meio ambiente nos deixam perplexos, impotentes e alienados de qualquer ação efetiva contra este estado e velocidade destrutiva.

O pior é que as informações ambientais não estão sensibilizando efetivamente a grande maioria das pessoas. Salve a natureza ou a si próprio é algo banalizado em meios aos outros tipos de apelos bombardeados pelo mercado. "Beba coca-cola e salve a natureza ou salve a natureza e será salvo" não estar fazendo muita diferença mesmo. Ninguém acredita, mas acaba tomando coca-cola e esquecendo de salvar a natureza.

Fonte da Imagem: qkantton.wordpress.com

A aparente ação de muitas empresas é de que estão investindo em defesa do meio ambiente, principalmente empresas com elevado nível de poluição.

Fazendo uma meia culpa. Mas no geral continuam com suas atividades a todo vapor. Ou seja, não basta um programa paliativo. O que precisamos é de uma radical mudança de atitudes. Uma sociedade ecológica, uma humanidade ecológica precisa ser em todos os sentidos.

A exploração abusiva dos recursos naturais nos coloca diante de uma natureza fúnebre. A natureza como ambiente dos lugares estragados, a natureza como um depósito de lixo a céu aberto.

A informação ambiental é uma prática que começa a ser especializada pela mídia a partir da reunião do Clube de Roma, anos 70, primeiro passo para a percepção de que os recursos naturais não são renováveis, e que a exploração desenfreada dos recursos renováveis coloca em risco a vida na Terra. Desse encontro tira-se o documento que aponta para o Crescimento Zero.

Onde os países ricos alertando o mundo para os problemas ambientais globais, causados pela sociedade urbano-industrial e crescente dinâmica demográfica dos países subdesenvolvidos, colocam em risco o desenvolvimento econômico e o meio ambiente, especialmente para as nações com dependência tecnológica e atraso econômico que propagam "o desenvolvimento a qualquer custo" (BRODHAG, 1997, p. 49).

Em 1972, a Organização das Nações Unidas – ONU convocou a Conferência de Estocolmo (Suécia), que marcou a mundialização das questões ecológicas. (SENE & MOREIRA, J. C. 1998, p. 407) Nessa "Declaração do Ambiente", são perpassados os primeiros acordes para as preocupações com o desenvolvimento sustentável, com um forte apelo aos direitos fundamentais do homem - vida, liberdade e igualdade de condições em um ambiente racionalmente protegido, onde o desenvolvimento deve ser planejado pelo Estado no sentido de melhorar o ambiente em benefício das populações; fazer uma gestão dos recursos no sentido preservar e melhorar o ambiente, assegurando às gerações atuais e vindouras uma melhor qualidade de vida. Foram aprovados 26 princípios gerais e pouca ação por parte dos diferentes países. O importante é que Estocolmo marcou a visão ecológica global, tendo sido, de fato, uma conferência de caráter planetário.

Na sequência, chegamos à Rio 92, Conferência Internacional da ONU sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, com a presença de 106 chefes de Estados ou representantes e mais de 35 mil pessoas. Este encontro resultou na "Agenda 21", com quarenta capítulos, 800 páginas, muitas sugestões e poucos compromissos firmes. Pois este documento não fixou os objetivos, estimativas, custos, nem modalidades. Estamos diante dos fios invisíveis que manipulam as contradições de uma política ecológica mundial (FREIRE, 1992, p.27).

Fonte da imagem: Antes que vire lixo - gaiabrasil.com.br

As ONGs e outros se contrapuseram ao encontro patrocinado pela ONU, mas o que prevaleceu foram as decisões do G-7 (o grupo dos sete países mais ricos) e suas instituições financeiras. Os crimes ecológicos e o modelo de desenvolvimento continuam, apesar do compromisso das nações em gradualmente diminuir tais crimes (BRODHAG, 1997, p.61). O desperdício da sociedade de consumo forma esse novo caldo de cultura, que não é total, mas fragmentado nos indivíduos de cada canto do mundo como em um processo sem fim. Incorporadores de valores, rugosidades, sentidos e ritmos do existir.

Do dia 26 de agosto a 04 de setembro de 2002, em Joanesburgo, na África do Sul, foi realizada a Rio + 10. Uma Reunião da Cúpula Mundial sobre Desenvolvimento Sustentável. Reuniu mais de 160 chefes de estados, 45 mil delegados e 7 mil ONG’s representantes de 185 países. Em nível de representação internacional, essa foi sem dúvidas a maior conferencia mundial sobre o tema.

Se a Rio 92 nos deixou claro que a natureza é finita, limitada e que funciona dentro de um sistema interdependente e que precisa do princípio do equilíbrio, perguntamos o que de fato os governos, empresas e sociedade civil fizeram para reverter a velocidade de suas práticas econômicas antiecológicas? Estamos diante de uma década da Rio-92. Naquele período vários ecologistas já apontavam para esta situação de descaso com o meio ambiente.

Roberto Freire (1992) divulgou um manifesto intitulado a FARSA ECOLÓGICA. A ECO-92, encontro paralelo ao Rio-92, foi fortemente criticado como divisionismo de radicais. Hoje a gente entende porque a Rio+10 foi um fracasso frustrante. Não só a Rio+10. Tivemos o Protocolo de Kyoto, o Fórum social mundial realizado na África do Sul, a ameaça Norte Americana de guerra aos iraquianos e o descompromisso do Governo Bush e dos seus colaboradores em relação ao meio ambiente. Estes elementos históricos parecem distantes, mas na atualidade, os governos dos países desenvolvidos continuam seguindo o mesmo receituário contra ambiental de a dua década.

Para o Greenpeace, o Rio + 10 pode ter sido a 2ª chance. Será que teremos uma terceira, quarta, quinta chance? Com esse capitalismo turbinado, os impactos locais, regionais, nacionais e globais já estão totalmente sistematizados. O pequeno Rio de minha cidade estar cheio de pneus pirelle, farestone, garrafas pet de coca-cola, latas de óleo da Texaco, Shell e todas as grandes marcas, mundiais.

O Rio de 1992 encontra-se mais poluído, mais violento, mais pobre. Em 2016 teremos os Jogos Olímpicos e o Rio de Janeiro será sede. Entre as exigências oficiais, um grande trabalho ambiental para limpeza da Baia da Guanabara. Efetivamente, não acontecerá como previsto.

A África de 2002, em especial Joanesburgo, não mudou muito a sua situação ambiental. O Rio+10 é a pura constatação de que a agenda 21 foi mais gasto de papel, energia e utopias de um mundo ambientalmente viável, socialmente justo e economicamente sustentável. Reflexo disso é a grave crise ambiental vivida no continente africano, onde epidemias e doenças graves como o ebola assolam grandes áreas do continente.

Fonte da imagem - Natureza morta - moblog.whmsoft.net

Para concluir esse quase manifesto deixo aqui registrado a denúncia, de que no Brasil já existe uma nova indústria parecida com aquela da seca. É a "Indústria Ambiental". Os recursos para salvar os rios, as florestas, os animais, começam a aparecer nas placas dos governos e até empresas privadas, mas o ambiente continua degradado. Entidades estão sendo criadas para defender o meio ambiente, muitos são escritórios para carrear recursos para fins ilícitos. Essa pode ser uma visão pessimista, mas só vejo uma saída: a transformação dessa sociedade capitalista e consumista por uma sociedade ecológica autogestionária. O que chamo de Socialismo Comunitário Ecológico. Ou quebramos essa lógica de destruição socioambiental capitalista ou não teremos futuro ecológico.

 

Referências:

BOOKCHIN,Murray. Por uma ecologia Social. Rio de Janeiro: Utopia, nº. 04, 1991.

BRODHAG, Christian. As quatro verdades sobre o planeta. Por uma outra civilização. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

CASTELLS, Manuel. O Poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 1999.

CASTELLS, Manuel. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

FIRMINO, Hiram. A Ecologia do Sapo. In.: JB Ecológico. Rio de Janeiro, nº. 08, 21/12/2002.

FREIRE, Roberto. A Farsa Ecológica. Rio de Janeiro: Editora Guanabara, 1992.

LEVI, Pierre. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 2000.

MARIANO NETO, Belarmino. Ecologia e Imaginário – Memória Cultura, Natureza e Submundialização. Joao Pessoa/PB: Editora da UFPB, 2001.

SENE, Eustáquio de, & MOREIRA, J. Carlos. Geografia Geral e do Brasil: Espaço Geográfico e Globalização. São Paulo: Scipione, 2002.

SILVA, T. Tadeu da, HARAWAY, Donna & KUNZRU, Hari. Antropologia do Ciborgue – as vertigens do pós-humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

publicado por olharesgeograficos às 01:26
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2016

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
23
24
25
26
27
28
29
30

.posts recentes

. A Democracia Brasileira c...

. Destruição do Rio Doce em...

. Geopolítica: Tragédia Sír...

. Refugiados: Para onde cam...

. AS OLIGARQUIAS E O PODER ...

. A Força do “Não”

. GEOPOLÍTICA AMERICANA NAS...

. Resenha Geográfica - Kant...

. A geografia Cultural - Ol...

. Programa de Teoria da Geo...

.arquivos

. Abril 2016

. Novembro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Julho 2012

. Dezembro 2009

. Fevereiro 2009

. Julho 2008

. Novembro 2007

. Setembro 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Janeiro 2007

. Novembro 2006

. Setembro 2006

. Junho 2006

. Maio 2006

. Março 2006

. Fevereiro 2006

. Janeiro 2006

. Dezembro 2005

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds